Pular para o conteúdo

Investir em criptomoedas é seguro?

Investir em criptomoedas é seguro? Por se tratar de um mercado descentralizado e volátil, temos alertas que são imprescindíveis para que qualquer interessado em investir em criptoativos pesquise bastante o mercado e as moedas. Recomendamos que você se familiarize com as moedas digitais que deseja comprar, como funcionam, sua finalidade, quanto valem, os desenvolvedores por trás delas, se têm potencial futuro e se são adequadas, antes de fazer qualquer investimento de empresas através das quais o investimento será feito. 

A sugestão é que os investidores verifiquem o tamanho do mercado, quanto dinheiro existe, e garantam que a moeda digital não seja muito pequena, com pouca liquidez e volume. Investir em criptomoedas que tenham tamanho de mercado igual ou superior a R$1 bilhão, porque é mais seguro. 

“É necessário filtrar as criptomoedas. Não garante sucesso, mas elimina as chances de riscos e fraudes”, alerta. Seja bem vindo ao nosso artigo e aproveite as nossas dicas para Investir em criptomoedas.

Investir em criptomoedas é seguro?
Investir em criptomoedas / Foto Canva

Investir em criptomoedas é seguro? Principais criptomoedas:

Se você pesquisar criptomoedas hoje, verá que existem milhares delas disponíveis no mundo. Confira os nomes das criptomoedas mais famosas e seus objetivos:

Bitcoin: é a criptomoeda mais famosa. Ela foi criada para uso exclusivamente como moeda em 2008 e publicada na internet por Satoshi Nakamoto, mas não se sabe realmente quem ou quantas pessoas criaram a criptomoeda.

Ethereum: criado em 2015, é um sistema para aplicações blockchain. Sua plataforma foi projetada para cobrir contratos inteligentes, tokens e outras criptomoedas. O processo de mineração também é diferente. Neste caso, as placas gráficas são as principais responsáveis ​​pela mineração.

Bitcoin cash: foi criado em 2017 com o objetivo de atualizar o protocolo e até mesmo substituir o Bitcoin, através de um chamado hard fork, uma espécie de split do Bitcoin, devido a discussões sobre suas limitações. Porém, devido à falta de consenso, surgiu como uma nova criptomoeda. Seu principal objetivo é ser usado como moeda de troca.

Ripple: foi criado pela empresa para ser utilizado em transações entre países e grandes instituições financeiras para melhorar o mercado de transferências. Em geral, esse ativo vende o serviço financeiro de conectar bancos e empresas de pagamento a uma rede onde as transferências podem ser feitas via blockchain. Este não é um ativo criptográfico extraído.

Litecoin: foi criada em 2011 e é uma das principais criptomoedas. É aceito como solução de pagamento em muitos lugares. O objetivo desta atividade criptográfica é tornar a criptomoeda mais acessível.

Dogecoin: originado de um meme da internet. Lançado em 2014, Billy Markus, um de seus desenvolvedores, começou a trabalhar no código Dogecoin para homenagear um meme de cachorro japonês Shiba Inu que se tornou popular na web no ano anterior. Tanto é que a identidade da moeda é a imagem de um animal. O principal objetivo do Dogecoin é atuar como uma criptomoeda que pode ser negociada em corretoras e utilizada para fins de investimento.

Binance Coin: Seu principal objetivo é apoiar operações de câmbio, proporcionar comodidade e acessibilidade aos traders e entusiastas de criptomoedas. Lançada em julho de 2017, a moeda foi criada para fortalecer a plataforma de criptomoedas e fortalecer suas operações para criar um ecossistema sustentável. A moeda pode ser usada para diversos fins, incluindo o pagamento de uma taxa de listagem, taxa de câmbio, taxa de negociação ou quaisquer outras taxas de câmbio.

Polkadot: oferece a possibilidade de interligar diferentes blockchains. O ativo criptográfico está tentando quebrar os monopólios da Internet e capacitar usuários individuais. Este conceito foi originalmente concebido pelo Dr. Gavin Madeira.

Tether: foi lançado em 2014, originalmente como RealCoin. O objetivo desta criptomoeda é ser um intermediário, uma espécie de ponte entre o mercado criptográfico e o setor financeiro tradicional.

Cardano: iniciou o desenvolvimento em 2015, criado por Charles Hoskinson. É uma plataforma que busca criar diversas aplicações financeiras descentralizadas que podem melhorar as ações financeiras de empresas, pessoas ou governos. Assim integra diversas funções em um só lugar.

Investir em criptomoedas é seguro? Como rastrear preços de criptomoedas:

Por se tratar de um mercado descentralizado e sem regulamentação, exige atenção e mais esforço dos investidores para obter boas informações e acompanhar os preços das criptomoedas.

Devido à descentralização não existe uma plataforma oficial de licitações e por isso as pessoas criam meios para ajudar outras pessoas a acessar informações.

Ele propõe dois sites para quem deseja informações sobre cotações, entre outras coisas sobre o mercado de criptografia: www.coin360.com, que mostra as criptomoedas e seus preços em tempo real. 

Para quem quer estudar um pouco mais sobre esse mercado, recomenda-se www.coinmarketcap.com.

Lembramos ainda que o criptomercado é igual ao mercado de ações, ou seja, é movido pelas expectativas e pela realidade, expectativas futuras do que pode acontecer, e por isso também apresenta volatilidade.

Veja outras dicas de acompanhamento de preços como: olhar sempre esse mercado em dólares porque é um mercado global, acompanhar as informações através de corretoras desse segmento, além dos principais sites de notícias sobre o assunto.

Investir em criptomoedas é seguro? Como investir em criptomoedas:

Existem diversas formas de comprar criptomoedas, mas as duas principais são: 

Para quem tem medo, dúvida e não sabe comprar, mas já tem conta em uma corretora, é recomendado investir através de produtos financeiros, como ETFs, criptomoedas. É portanto uma alternativa para quem quer investir em moedas digitais com a segurança das principais autoridades de supervisão do país e o apoio da exchange.

Outra opção é investir por meio de corretoras específicas de ativos, chamadas exchanges. Basta se cadastrar na plataforma, enviar a documentação necessária, depositar o valor e comprar os criptoativos de seu interesse, procurando sempre corretoras conhecidas, conceituadas e que tenham histórico e tempo de mercado para evitar golpes. 

Os benefícios e riscos de investir em criptomoedas: 

  • Como muitos investimentos, as criptomoedas têm seus benefícios e riscos.
  • As principais vantagens destacadas pelos especialistas incluem:
  • Boa rentabilidade no longo prazo.
  • Exposição ao dólar.
  • Proteção da carteira ou ativos de investimentos, pois não se trata de um ativo hipotecado.
  • Uma oportunidade de investimento porque o mercado de criptoativos ainda conta com poucos investidores.

Por outro lado, ao analisar possíveis riscos e desvantagens, os especialistas apontam:

Falta de regulamentação com a possibilidade de os países quererem ser mais rígidos nas regras. Maior risco de fraude. Saiba que as criptomoedas estão se consolidando como ativos de risco e vê um futuro positivo.

Vemos um universo que deixa de falar do mercado de criptomoedas e do mercado tradicional, e que os aproxima. Podemos ver que estamos no rápido processo para que isso aconteça. Certamente que passamos por fortes processos regulatórios, muitos fundos de investimento serão lançados no mercado criptográfico, mas não focados apenas em Bitcoin.

Ou seja,  haverá também outros ativos criptográficos com relevância igual ou maior que o Bitcoin. Provavelmente, veremos grandes empresas dos setores de tecnologia e financeiro adotarem criptomoedas de alguma forma.