Pular para o conteúdo

Criptomoedas o que são e como investir veja aqui

Criptomoedas: o que são e como investir, veja aqui. Existem milhares delas no mundo; Muito se fala, mas pouco se sabe a fundo sobre como funcionam. 

As criptomoedas atraíram a atenção. Embora o Bitcoin seja a moeda digital mais conhecida, existem milhares delas no mundo. Além de despertarem desconfiança e dúvidas, despertam curiosidade porque são muito falados mas pouco se sabe.

Você sabe o que são criptomoedas e para que servem? Você sabe a diferença das moedas normais? Elas estão seguras? Para esclarecer essas dúvidas, preparamos um guia completo sobre criptomoedas. Confira abaixo.

Criptomoedas: o que são e como investir, veja aqui.
Criptomoedas / Foto Canva

O que são criptomoedas?

São moedas digitais e recebem esse nome porque as transações são confirmadas por meio de criptografia. Além disso, ao contrário das moedas normais, não podem ser tocadas, o que significa que só existem na Internet.

Portanto, as criptomoedas são moedas que utilizam a tecnologia para torná-las mais seguras e que uma das características que elas têm em comum é que só funcionam dentro da internet, são dinheiro da internet e são 100% virtuais.

A principal diferença entre as moedas digitais e as moedas fiduciárias é que elas são descentralizadas, ou seja, não há um único ator que defina a política monetária, a quantidade de ativos emitidos e as limitações de controle, por exemplo. Portanto, existe um código por trás das regras do jogo. Tudo já está pré-definido e não está centralizado em um único servidor, em um banco de dados, mas está descentralizado em diferentes locais da rede.

O único fator existente é o chamado sistema blockchain. Nada mais é do que uma espécie de livro-razão eletrônico onde são registradas todas as transações de usuários ao redor do mundo. Dessa forma, esse processo facilita e agiliza a autenticação no banco de dados, além de evitar possíveis ações invasivas no sistema, garantindo assim confiabilidade e segurança nas transações.

Para que servem as criptomoedas?

Existem milhares de tipos de criptomoedas com objetivos diferentes. Portanto, elas foram criadas para substituir as moedas. A ideia principal, é que essas moedas digitais foram uma moeda que substituiu o dólar, mas com o tempo surgiram outras que geraram finalidades diferentes. 

Cada criptoativo tem uma função: usar como moeda, usar como reserva de valor ou usar para outras aplicações de forma descentralizada.

Os principais tipos incluem:

Moedas de pagamento: pretende ser um meio de pagamento para troca de bens e serviços. O objetivo desse tipo de criptomoeda é realizar transações financeiras de forma rápida, prática, para ser aceita como moeda e representar segurança. Esta categoria inclui Bitcoin, Litecoin e XRP. Todas essas criptomoedas tentam cumprir a mesma função de meio de pagamento digital.

Economia Blockchain: estes ativos pretendem ser uma plataforma para o desenvolvimento de aplicações descentralizadas e soluções inteligentes através de tokens que utilizam a sua blockchain como base. Essas plataformas fazem com que aconteça o desenvolvimento de outros tokens e criptomoedas.

Tokens utilitários: este tipo de criptomoeda é usado para trocar por um bem ou serviço porque é baseado em uma economia blockchain. Estes ativos são essencialmente o resultado de aplicações descentralizadas criadas através da moeda digital Ethereum. Esses tokens podem ser usados ​​para pagar por um determinado tipo de serviço.

O que é mineração de criptomoedas?

A mineração de criptomoedas é essencialmente o processo de verificação de transações dentro de um sistema blockchain. Para um melhor entendimento, faremos um comparativo com as transações bancárias: ao criar um Pix, DOC ou TED, essas transações vão para o servidor, que processa e executa a transação. No caso dos bancos, esses servidores estão localizados em algum local físico. Se ocorrer um problema, o sistema ficará offline por um tempo. Portanto, é um remédio tradicional.

A mineração faz algo semelhante, mas de forma descentralizada e espalhada pelo mundo. Ou seja, o processo de mineração consiste em pessoas que utilizam computadores específicos com processadores potentes capazes de verificar transações cripto ativas, que realizam cálculos matemáticos complexos para verificar se a transação é verdadeira e pode ser posteriormente executada. A mineração de Bitcoin é uma das formas mais conhecidas, porém existem outras moedas digitais que também podem ser extraídas.

Saiba que a principal diferença de um meio tradicional é que com as criptomoedas o meio é descentralizado e qualquer pessoa pode participar.

Então, com o recurso blockchain as transações são registradas em páginas desse tipo de livro-razão e, quando essas páginas são repassadas e preenchidas, precisam ser verificadas. Para isso, a rede paga uma espécie de prêmio em ativos criptográficos para quem encontrar essa nova página para se cadastrar, adicionar transações e assim por diante, mantendo um processo contínuo de verificação das transações. Dessa forma, os moradores nada mais são do que validadores de transações.

As diferenças de preço dessas moedas digitais, como funcionam?

Tal como acontece com o investimento em ações, os investidores em criptomoedas estão sujeitos à volatilidade das moedas digitais e é impossível prever os seus preços.

Sendo assim,  comparado ao mercado de ações, ao comprar ações, o investidor verifica a avaliação, o ebitda, diversos indicadores fundamentais que auxiliam na tomada de decisões. Então, alguns indicadores aparecem no mercado de criptoativos, mas basicamente o que afeta as oscilações de preços é a oferta e a demanda. Se houver quem queira pagar, o preço dos criptoativos sobe. Caso contrário, cai.