Pular para o conteúdo

Tipos de CDB: descubra a melhor opção para você

Tipos de CDB: descubra a melhor opção para você. Conforme mencionado anteriormente, existem diferentes tipos de CDBs que se diferenciam na forma como proporcionam rendimento aos investidores, ou seja, na forma como a taxa de juros é aplicada ao título.

Existem três tipos principais de CDB: prefixados, pós-fixados e aqueles que são híbridos.

Venha conosco enquanto damos dicas sobre os tipos de CDB, boa leitura.

Tipos de CDB:
CDB / Foto Canva

 

1- Prefixo CDB: conheça o rendimento na hora da compra:

Este título tem seu retorno pré-determinado ou, como o próprio nome sugere, pré-determinado. Ou seja, independentemente da taxa Selic – que é a taxa básica de juros da nossa economia – ou da inflação, a rentabilidade será fixa e pré-determinada.

É importante comparar diferentes títulos e prazos para investir seu dinheiro, sabendo que você está investindo corretamente.

Que tal um exemplo para ajudar você a entender?

Um CDB pré-fixado, que oferece rentabilidade de 11% ao ano, paga diariamente equivalente suficiente para cobrir essa taxa ao final do prazo.

Para ilustrar, suponha que você invista R$ 5 mil nesse título e ele tenha vencimento em três anos, quanto você ganharia com esse investimento?

R$ 5.000 x (1 + 11%)³ = R$ 6.838,16

O valor bruto seria de R$ 6.838,16

O cálculo é simples: basta multiplicar o valor investido pelos juros somados a 1 (neste caso 1 + 0,11) mais o tempo que ele permanecerá no banco.

2-  Postfix do CDB: uma aposta na variação dos juros

A grande maioria dos certificados oferecidos possui esta configuração. É bastante comum ver os termos “CDB DI” ou “CDB CDI” – bom, e esse é outro termo muito importante que você deve conhecer: Certificado de Depósito Interbancário – ou CDI.

Todos os dias, os bancos concedem empréstimos de muito curto prazo entre si para fechar o saldo diário no positivo. A lógica é muito semelhante a um certificado de depósito bancário, mas agora não há investidores envolvidos, apenas bancos.

Além disso, em comparação com a Poupança, o rendimento costuma ser maior, veja:

As taxas médias desses CDIs acabaram se tornando o indicador padrão para a tributação de diversos serviços financeiros no mercado, incluindo diversos CDBs.

Os bancos, portanto, utilizam o CDI para determinar quanto pagarão aos seus investidores no futuro. Isso significa que fixa uma taxa pós-fixada para seus títulos.

Será mais fácil de entender após a demonstração.

 

Ao investir, você poderá ver algo como “CDB 105% DI a.a.”. Tradução: esse título paga 105% da taxa média anual do CDI do período. Supondo que o vencimento fosse após um ano e durante esse período a taxa DI fosse de 10,8%, quanto seria o retorno de R$ 5.000 no pagamento?

Para encontrar a medida, uma simples regra de três resolve:

10,8 x 105/100 = 11,34%

Depois basta multiplicar o valor investido pelo fator:

R$ 5.000 x (1,1134) = R$ 5.567

Observe que esse valor seria bruto, ou seja, antes do imposto de renda. Daqui a pouco você vai entender como é tributado esse investimento, não se preocupe.

3- CBD híbrido: proteção contra a inflação:

Por último, mas não menos importante, existem no mercado títulos indexados à inflação. Mas o que isso significa?

Essa modalidade de CDB acompanha as variações do IPCA – índice utilizado para medir a inflação em nosso país. Isto significa que se o aumento geral do preço de mercado for de 6%, o seu investimento pagará essa taxa. Mas por que é chamado de híbrido?

Além da variação do IPCA, esses títulos pagam uma taxa fixa determinada antecipadamente, ou seja, pré-determinada.

Para entender isso, siga estes cálculos:

Supondo que você decidiu investir R$ 5 mil em um CDB que paga IPCA + 5% a.a., isso significa que o título paga inflação mais 5% a.a. Imagine que após 12 meses a inflação chegasse a 6,20%. Quanto valeria o seu investimento?

É fácil: 5.000 x (1 + 0,062) x (1 + 0,05) = 5.000 x 1,1151 = 5.575,5

Basta utilizar o mecanismo de juros compostos para combinar IPCA e taxa fixa de 5% ao ano.

Você viu as vantagens e desvantagens de cada tipo de CBD?

Por isso, é fundamental pesquisar bem para saber qual é o mais benéfico para o seu perfil e objetivos em determinado momento.

Quais são os principais benefícios do CBD?

Já vimos algumas vantagens do CDB, mas agora vamos resumir as principais vantagens desse investimento:

Segurança: Os CDBs são considerados investimentos de baixo risco, principalmente por serem garantidos pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). O FGC segura o investidor em caso de falência da instituição financeira até determinado valor.

Rentabilidade: geralmente oferecem retornos mais elevados do que a poupança e são muitas vezes mais atraentes do que outros investimentos de renda fixa, como títulos públicos.

Diversificação: investir em CDB permite diversificar sua carteira de investimentos. Ao combinar diferentes prazos e emissores, é possível reduzir o risco e aumentar o potencial de retorno.

Acesso: Os CBDs estão amplamente disponíveis e são acessíveis. Diversos bancos e corretoras oferecem essa opção de investimento, que permite que investidores de diversos perfis invistam em um certificado de depósito bancário.

Tributação: Os CDBs estão sujeitos ao Imposto de Renda, mas a alíquota varia de acordo com o período de aplicação. Os investimentos de longo prazo têm taxas de imposto mais baixas, o que pode ser benéfico para investidores que desejam manter os seus fundos investidos por mais tempo. Veja o próximo tópico para mais.

Qual é o imposto de renda do CDB?

Outro fator que muda ao longo do tempo que seu investimento permanece no banco é a alíquota que será aplicada sobre ele.

Como vários outros investimentos, um certificado de depósito bancário está sob o escrutínio do fisco federal. Você terá que pagar uma alíquota de imposto de renda sobre qualquer CDB que adquirir.

O IR segue uma regra conhecida como alíquota regressiva, ou seja, quanto mais tempo seu dinheiro ficar investido, menor será o percentual pago.

Porém, é importante ressaltar que você não precisa se preocupar com o pagamento, pois esse imposto é recolhido na fonte. Isso significa que quando você decidir quitar o CDB ou chegar ao vencimento, o banco já vai separar a parcela do governo.

Mas não se preocupe, se você deixar seu dinheiro aplicado por mais de 30 dias, seu investimento fica isento dessa taxa.

Outra taxa que pode ser aplicada ao seu CDB é a taxa de custódia. Algumas instituições financeiras cobram uma taxa mensal (ou anual) para manter o seu CDB na conta, enquanto outras não cobram essa taxa dos investidores.

Fonte:https://www.bb.com.br/